POR TI  (2017)

10min   |   Rio de Janeiro - RS   |  Pedro Ferreira

Um certo dia decidi que tinha que me dar um tempo, Decidi, então, visitar o Rio de Janeiro e sentir um novo ar.

 

Usei esse tempo para pensar nas coisas que rondavam minha cabeça, acalmar meus pensamentos e nos assuntos que eu costumava ignorar.

 

Resolvi anotar tudo. O interessante, de fato, é que eu não esperava que chegaria a determinadas conclusões. Inevitavelmente, é inexplicável como meu pensamento se volta tão facilmente a ti, Por Ti.

Extras:

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/13

Galeria de fotos do Curta

Versão Escrita:

Por Ti:

Um certo dia decidi que tinha que me dar um tempo, que tinha que repensar e aproveitar um tempo longe das coisas, decidi então visitar o Rio De Janeiro, sentir um novo ar mesmo que seja por poucos dias. Usei esse tempo para pensar nas coisas que rondavam minha cabeça e eu costumava ignorar e decidi anotar tudo, o interessante de fato é que eu não esperava que chegaria a tais conclusões, interessante é como meu pensamento se volta tão facilmente a ti, Por Ti.

 

Veio um tornado que aventurou toda sujeira que estava embaixo do tapete e jogou ao ar. Foi você. Eu deveria parar tudo e arrumar essa bagunça, mas na verdade eu estou fugindo dessa arrumação.

Por que não tiramos certas coisas da cabeça? Estou aqui, nessa cidade maravilhosa mas meus pensamentos encontram-se submersos na sua essência, na ideia de lhe ter, de entrar na sua cabeça, entender os seus desejos mais profundos, saber se você está aqui tanto quanto eu estou aí.

 

Você adoraria essa cidade, sua beleza em si, essa avenida que parece a Guararapes, os prédios, as árvores e o bondinho, mas não se trata mais de você. Trata-se de qual caminho minha existência me levará. Trata-se de eu escolher um novo caminho ou voltar ao nosso caminho mal acabado. Você poderia estar aqui nesse bondinho... Me sinto no clipe de Tempo de Pipa, me identifico com essas paredes cinzentas cobertas de grafite para exaltar a fuga da realidade sem cor. Nosso caminho poderia ser como essas ruas, bonito e singelo, mas não tenho certeza se é uma emboscada ou um atalho para a felicidade, nem se ele encontra-se disponível para mim.

Esses prédios são bem maiores do que os da Boa Vista e de certa forma me sinto mais sufocado por eles do que pelos meus pensamentos.

 

Eles são tão grandes e nós somos tão pequenos.

 

Percebo que as pessoas estão constantemente fazendo programas importantes com seus familiares ou entes queridos, acho que você não sabe o quanto eu gostaria de compartilhar esses momentos contigo.                        

 

Viajar é ótimo. Conhecer novos lugares é ótimo, só não é tão ótimo quanto te ter ao meu lado, misturar o aroma dessa cidade com o teu, apreciar a beleza da vista com sua presença, sentir teu toque com essa maresia.



 

Como algo

Tão intenso

Belo e

Preciso

Como o grande sol

De felicidade

Que esquenta minha alma

Pode resumir a existência

De outra alma

Entrando em combustão

Com a minha.


 

Apreciamos a beleza

Na dança destes lençóis

Nos movimentos

Quase sensuais

Que um emite no outro

Dois panos

Se tornam um

Se separam novamente

E o vento os junta

Sempre ligando

Deliberadamente cada passo.


 

Talvez eles não sejam tão majestosos quando sozinhos.

 

Por outro lado isso chega a me assustar! É como se tivéssemos todas essas letras e só conseguíssemos formar uma palavra. De tantas possibilidades que a vida parece prometer, porque me sinto amarrado a apenas uma?

Será que eu só te desejo tanto por não conseguir lhe alcançar? Será que o fato de eu não lhe ter faz com que meu subconsciente crie uma imagem surreal e de perfeição sobre você? Talvez eu só te queira tanto por causa dessa sua versão que não é você.

Observo os grandes amores, e suas monótonas rotinas, e me pergunto se somos um grande amor sem rotina ou uma rotina sem um grande amor. Confesso que agora venho pensando na tranquilidade, em compartilhar uma vida com você, em viajarmos juntos, poder acordar e sentir a aura da sua existência preencher as primeiras horas do meu dia, mas talvez essa tranquilidade seja chata demais para nossas agitadas cabeças e sinto que já não me importo tanto. Aliás são tantos “talvezes” que quase chego a conclusão que não exista uma certeza no amor. Existe ele e suas incertezas pois o amor talvez consiga prevalecer por entre todas as incertezas. E mesmo diante de tantas dúvidas, idas e vindas, você ainda preenche meus pensamentos. Não me importo! Você me coloriu e me deixou azul e puxou dele um arco-íris de sentimentos.

Nunca fui bom as palavras, meu bem, muito menos para falar dessa agradável confusão... Toda essa confusão que me deixa vivo! A tranquilidade pode até parecer tentadora, contudo, se pararmos pra pensar: é nossa intensidade que nos mantém juntos!

O sol invade nossas vidas todos os dias. Não tem um dia sequer que o ignoramos, até quando ele não aparece, é lembrado: você é o sol que roda meu planeta!

 

Essas reflexões não eram para ser sobre ti, era para ser sobre mim, mas talvez esse seja o ponto.

Clichê e real.

Parece que as pessoas estão parando de sentir e o que está em alta é volatilidade, então te agradeço por me fazer sentir!

 

Talvez seja hora de voltar e te falar tudo isso que penso, ou talvez guardar em meu caderno.

Revisado por: Gabriel Baiano.

"Por Ti" é o primeiro curta de uma trilogia de curtas experimentais com o intuito de explorar uma relação extremamente intimista, com grandes imagens do Rio de Janeiro ao fundo o espectador imerge em uma nova e poderosa experiência poética.

O Curta rendeu duas continuações

Por Mim(2017)  e Por Nós(2018) que se baseiam em expandir as reflexões sobre esse e muitos outros casos amorosos afim de entender como os sentimentos funcionam em relações de idas e vindas.

O curta foi composto com a voz, fotografia, texto e direção de:

Pedro Ferreira

Novo Poster